Fale conosco pelo WhatsApp

Cuidados com a cicatriz da mamoplastia redutora

Imagem com top de ginástica

A cicatrização no pós-operatório é importante e requer alguns cuidados

Como qualquer outra cirurgia plástica, a mamoplastia redutora traz cicatriz para as pacientes que a realizam. E é natural que surjam dúvidas e temores referentes a essas marcas no corpo.

Alguns cuidados e orientações podem e devem ser tomados para quem teme que a mamoplastia redutora deixe cicatriz. Neste artigo, você vai entender melhor sobre o que é essa cirurgia plástica e como cuidar adequadamente das cicatrizes.

O que é a mamoplastia redutora?

Em primeiro lugar, antes de querer entender mais sobre os processos decorrentes da mamoplastia redutora com cicatriz, é preciso compreender do que se trata o procedimento em si.

A mamoplastia, em um aspecto geral, é toda cirurgia plástica que tem como objetivo modificar o formato ou o tamanho das mamas, podendo aumentar, diminuir ou simplesmente modificar a aparência dos seios, sempre visando sua melhoria estética. Dentro dessa melhoria, o cirurgião pode torná-los mais proporcionais ao restante do corpo.

No caso da mamoplastia redutora, esta é procurada por pacientes que sofram com mamas excessivamente grandes, responsáveis por problemas como:

  • Dores no pescoço e no ombro;
  • Assaduras ao redor das mamas;
  • Marcas profundas na pele, criadas pela alça do sutiã;
  • Dores nas costas e na lombar.

A mamoplastia redutora deixa cicatriz, que depende da quantidade de pele flácida removida e do tipo de incisão escolhida pelo cirurgião plástico responsável.

Mamoplastia redutora: cicatriz

É preciso reforçar que a cicatrização dos tecidos depois de uma cirurgia plástica tende sempre a ser imprevisível, já que alguns fatores influenciam diretamente nesse processo.

Fatores esses são ligados às características da pele, histórico cirúrgico da paciente e outros pontos a serem avaliados na consulta prévia com o médico. No entanto, é necessário também compreender que as cicatrizes são importantes, pois permitem a mudança de formato desejada na mamoplastia.

Todos os meios cirúrgicos ou clínicos utilizados nesse procedimento trabalham a serviço de conseguir a melhor cicatriz possível para a pele.

O que são as fibroses?

Além de entender sobre os processos que envolvem a mamoplastia redutora com cicatriz, também é preciso falar sobre fibroses, bastante comuns no período pós-operatório da mamoplastia.

A fibrose é um tecido cicatricial que o próprio corpo produz com o objetivo de restaurar e preservar a região que sofreu uma agressão – no caso, as incisões cirúrgicas. Em outras palavras; devido a evolução não somos capazes de regenerar tecido e sempre que há um dano cicatrizamos levando a formação de um tecido cicatricial ou fibrose. As fibroses podem ser marcadas pelo endurecimento, repuxamento e relevo irregular na região em que foi feita a cirurgia conforme a quantidade de inflamação que ocorreu na região.

Quando limitadas ou em pequena quantidade, apresentam resolução gradual, não trazendo maiores transtornos para as pacientes. No entanto, quando a fibrose se apresenta de forma muito protuberante, ela se torna uma vilã para a boa cicatrização, sendo responsável por nodulações, retrações da pele e até mesmo dor.

Em razão disso, mantenha alguns cuidados para evitar o surgimento dessas marcas. Siga as orientações do seu médico, não fazendo esforços físicos excessivos no período pós-cirúrgico, invista em drenagens linfáticas e utilize adequadamente as malhas cirúrgicas.

Como acelerar o processo de cicatrização?

A mamoplastia redutora com cicatriz traz, em seu período pós-operatório, um momento de extrema importância e cuidado para que a recuperação aconteça e a cirurgia traga o efeito desejado.

Sendo assim, é essencial seguir uma alimentação regrada, já que é preciso fornecer todos os nutrientes necessários para colaborar na cicatrização. Também é de suma importância abandonar o cigarro pelo período estabelecido pelo médico tanto no pré quanto no pós-operatório.

O tabagismo pode atrapalhar a oxigenação do sangue, dificultando o processo de cicatrização. Realizar, corretamente, a troca de curativos, ajuda também a manter sua cicatriz sempre limpa e protegida.

Já com relação às atividades físicas, estas devem ser retomadas apenas após a autorização médica, mesmo em casos de ausência de dor. A mesma regra vale para o ato de dirigir – que além do esforço, oferece o risco de pequenos acidentes de trânsito, cruciais para gerar problemas no pós-operatório.

Nos seis primeiros meses depois que a mamoplastia redutora traz cicatriz, também é importante evitar a exposição à luz solar.

Se você busca um experiente cirurgião plástico para fazer a sua mamoplastia, entre em contato conosco agora mesmo e agende uma consulta!

Fontes:

Ministério da Saúde;

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.